sábado, 23 de fevereiro de 2013

This Is My Body

NOT YOURS!

http://vimeo.com/48314213

"Esse é o meu corpo. Eu faço o que quiser com ele.
Esse é o meu corpo. Eu tomo minhas próprias decisões.
Esse é o meu corpo. Eu o uso como uma tela e o tatuo, decoro-o e coloco piercings.
Eu tomo remédio se eu quero. E só me submeto a procedimentos médicos que eu escolhi.
Eu como o que eu quero. Me exercito pela minha saúde. Ou visto o que eu gosto.
Eu me apaixono, durmo e me caso com quem eu escolho.
Eu decido como e quando eu me tornarei mãe.
Esse é meu corpo, não seu.
Essas decisões não lhe dizem respeito.
Se eu não estou te machucando, ou te impedindo de perseguir o seu inerente direito a felicidade, nada disso é da sua conta.
Uma em nove mulheres irá apresentar câncer de mama, a forma de câncer mais invasiva que afeta a mulher no mundo.
Se eu sou negra ou branca, rica ou pobre, gay ou hetero, casada ou solteira, formada ou não, eu tenho o direito de ser rastreada para esse matador de mulheres se eu for ao meu médico ou depender dos serviços clínicos como aqueles oferecidos pela Planned Parenthood.
E o seu desejo de acabar com o financiamento de abortos não tem nada a ver com o meu direito de me defender contra o câncer.
Esse é o meu corpo, não seu.
Se eu escolho fazer sexo, eu tenho o direito de controlar a natalidade, e de ser poupada dos seus insultos degradantes que você com certeza nunca quis que fossem dirigidos contra sua filha ou sua mãe.
Minha busca pelo orgasmo não é anti natural, ou perigoso, ou assustador, ou infringe a sua liberdade religiosa. Minha atividade existe para meu beneficio e não para seu prazer.
E nunca é minha culpa se você me estupra. Estou cansada de ser excluida pelas minhas decisões sobre minha saúde sexual e reprodutiva. Esse é o meu corpo, nao o seu.
Eu determino quem e o que entra na minha vagina, e quando.
Eu tomo todas as decisões em relação à minha gravidez.
Eu irei ter acesso ao pré-natal, você concordando ou não com as escolhas que resultem dele.
Eu tenho direito a um aborto sem enfrentar intimidações, perseguição, onerosas leis de consentimento dos pais, ou impostos prejudiciais.
Se eu decidir fazer um aborto, eu não irei me submeter a procedimentos invasivos desnecessários, para fins de sua edificação pessoal moralizante.
Eu tenho direito a todas as informações em saúde com meu médico.
E me permitindo ser penetrada uma vez, não assume o seu direito de fazê-lo novamente pelos seu propósito, e pelas suas razões.
Esse é o meu corpo, não seu.
É hora de aceitar que eu estou totalmente consciente, capaz e responsável por mim.
Eu não preciso de um herói, e eu não preciso ser salva, porque eu não estou em perigo.
Eu não sou definida pela minha necessidade de um homem ou de um parceiro, embora eu tenha o direito de ficar feliz em um relacionamento seguro e que me apoie.
Eu não sou definida pelo meu cabelo, meu peso, a cor dos meus olhos, minha maquiagem, o tamanho do meu sutiã, a cor da minha pele. Eu não estou aqui para ser seu brinquedo sexual. 
Eu não ficarei calada. Eu não esperarei minha vez. Eu não irei dar atenção a você.
Eu sei minha força física e mental. E eu não tenho medo de você.
Eu sou linda, apesar do que você pensa, com ou sem a sua aprovação.
Esse é o meu corpo, não seu.
Esse é o meu corpo.
Eu atravessei E eu estou cansada de legisladores me dizendo o que eu devo fazer com ele.
Esse é o meu corpo. Guarde os seus insultos devassos, sexistas e agressivos para você. Eu não estou escutando.
Esse é o meu corpo. Eu tenho direito de casar com quem eu quero, homem ou mulher. A pagamentos iguais. A educação. A saúde. Ao divórcio. A segurança. A proteção perante a lei. Ao respeito e a dignidade. A igualdade completa. 
Esse é o meu corpo, não seu.
Não tenha medo de um mundo onde as mulheres conhecem sua voz, seu poder e a elas mesmas. Esse mundo já chegou." 

1 comentários:

martinealison disse...

Un cri puissant...
J'aime.
gros bisous