quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

A felicidade é uma fase

Um lindo relato para nossos arquivos da resistência!


Eu havia feito esse desenho no mesmo dia em que tomei uma caixa de lexotan e fui parar no hospital. Eu havia escrito "a felicidade é uma farsa". Depois que saí do hospital e percebi as pessoas que me ajudaram, me levaram pra lá e que se preocupavam comigo, torcendo pra que eu melhorasse e que queriam o meu bem, eu peguei a folha, desenhei sorrisos, mudei a frase e assinei. Ela representa exatamente o momento em que eu decidi me recuperar e (tentar) ser uma pessoa melhor... 

Tem muita gente que não concordaria com esse a "felicidade é uma fase", mas nessa fase eu estava procurando descontroladamente o rótulo de ser feliz. E quando eu digo rótulo, pra mim é o que a mídia e as pessoas, culturalmente, tentam passar: que são felizes, tem a vida mais perfeita. O que vemos diariamente no facebook é isso. A postagem do lugar mais legal, das bebidas mais caras, com as pessoas mais divertidas. Parece que temos uma necessidade de taxar que nossa vida é perfeita. O corpo perfeito, o trabalho perfeito, os amigos perfeitos, frequentar os lugares perfeitos. Eu fui perfeccionista a minha vida toda e isso só me gerou sofrimento desde que eu comecei a me frustrar e ver que as coisas não saíram como eu imaginava. E eu tenho uma vida ótima. ...Uma faculdade legal, uma família maravilhosa, sem muito dinheiro, mas e daí? As pessoas sempre vanglorizam os feitos, os sucessos. Eu acho que elas tem que também dar ênfase pras quedas. 

Pela primeira vez na minha vida (quando desenhei a primeira frase desse desenho), eu tinha tomado um balde de água fria por ter reprovado numa matéria importantíssima do meu mestrado, ia perder minha bolsa e possivelmente meu mestrado, que já tinha mais de um ano. Isso me deixou completamente sem chão, fez eu querer me matar. Depois de ter um mínimo de consciência e traçar metas, eu consegui trazer pra minha banca de qualificação essa professora que havia me reprovado e fudido a minha vida. Ela me disse na banca durante a minha apresentação de qualificação que havia se surpreendido por eu tê-la chamado pra banca, pois ela achava que eu a odiava ferozmente. E eu disse pra ela que pela primeira vez na minha vida ela havia me feito perceber que eu deveria levar as coisas a sério, e que com o meu fracasso ela tinha proporcionado uma guinada na minha vida, pra melhor, em todos os aspectos. Ela se emocionou na minha qualificação. E isso também me emocionou muito, pela minha evolução de ver, através de um fracasso e algo tão marcante pra mim, uma oportunidade de evoluir, pro meu bem.

1 comentários:

Anônimo disse...

Além de ser uma pessoa que a gente gosta logo de cara, me emocionei com a tua sinceridade, com teu jeito honesto e direto.
Realmente as pessoas rotulam muito e, talvez por isto, acabam rotulando a si mesmas.
Acredito na felicidade, em etapas das nossas vidas, em erros e acertos, em sorrisos e lágrimas.
Acredito em uma vida normal, sem máscaras, mostrando nossas fragilidades e forças que muitas vezes nem nós mesmos sabemos que possuimos !
Também pude aprender e crescer com a dor, com uma guinada muito grande na vida, para a qual eu não estava preparada, mas que vem me fazendo ter uma força que jamais imaginaria ter, que só aumentou ainda mais a minha fé, sabendo que podemos sempre contar com este amigão fiel, que diz assim: "nunca te deixarei, jamais te desempararei".
Podemos querer mais o que ?? rs
Bjs
Cláudia