segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Butterfly Year

Último dia do ano! Quero divulgar uma iniciativa bacanérrima da Kim Duarte Pereira 
e desejar um feliz 2013 a tod@s!







Confira o álbum de fotos com as borboletas em  "Diga não a automutilação", no Facebook. 

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Flagrantes Delitos III


Mais uma série de fotos.
Crimes dolosos, mas saborosos!!!

Desta vez em homenagem ao mês das crianças.

MANDE SUA FOTO TAMBÉM!
pro-mo-vo@hotmail.com










quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Arquivos da Resistência II


Confira, abaixo, algumas das produções para a foto da Gabrielle Tosi.
Você ainda pode participar!!! 
Deixe seu texto como comentário neste post.

O desafio e a foto encontram-se AQUI.

* * * * *


Pílulas para emagrecer, para dormir, para acordar, para estudar, para ter forças, para reprimir o meu instinto primitivo da fome, para despejar o que entrava, para ser um zumbi. 
Quem eu vi por tanto tempo no espelho? Que figura era aquela que destruí com tanta força, estando do outro lado do espelho? 
Pílulas,durma, acorde, ande, não coma, despeje o que há de ruim, o que há de sujo, o que te apodrece. Apodrece? Não. 
Tantas horas parada olhando cada centímetro, tantas horas, dias, semanas tentando consertar o que nada tinha de errado. Eu estive partida, em tantos milhões que talvez não pudesse recolher. 
Poderiam pílulas conter amor, auto-estima, aceitação. Poderiam também conter surdez ao que escutamos por toda uma vida. Poderiam pílulas conter moléculas milagrosas que recolhessem nossos pedaços e assim, depois de sofrer tanto, faríamos de tudo para não partimos outra vez. 

(Anônimo)


* * *

je serais incapable de fabriquer un coeur à base de pilules... j'évite de prendre de tels médicaments.
En revanche s'il existe des pilule pour aimer mieux, j'achète!
Gros bisous

(Martine-Alison)


* * *

Poema institucionalizado

cheguei causei gritei
internei dopei fumei cheguei causei gritei internei dopei fumei 
cheguei causei gritei internei dopei fumei cheguei causei gritei internei dopei fumei


Poema desinstitucionalizado

amei

(Natalia Bonfim)


* * *


Me conceda pílulas para aceitar o que não poço mudar, mais pílulas para mudar o que posso e um arsenal para não fuder tudo com muita frequência

(Anônimo)


* * *


E tive meu eu espedaçado em zilhões de pedaços, como se eu fosse um pote de pílulas jogadas ao vento. 
Pensei ser o fim de mim. 
Começou então uma revolução, eu me tornei meu centro, e como um imã, meus pedaços até então em cápsulas ao longo do mapa começaram a se aproximar. 
Foi quando percebi que quanto mais me amasse, e me aceitasse, mais de mim eu teria. Ao fim do processo, nem todas as cápsulas 'de mim' se aproximaram, mas meu eu pôde ser composto no formato de um coração e as que ainda estão um pouco afastadas, puderam traduzir e escrever "amor". 
Elas estão vindo.
Eu me tenho através do meu amor-próprio.

(Anônimo)


* * *


Uma overdose...

De amor, por favor

(Anônimo)

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Atualidades | corpo, ciência e arte

Grupo de apoio e de discussões e reflexões sobre saúde mental, histórias de vida e a corporalidade na ciência e na arte. 

Participe no FACEBOOK:


sábado, 7 de julho de 2012

Depoimento - M.F

M.F nos conta um dos episódios que vivenciou durante seu tratamento.
Se quiser, mande o seu para nós também! bonfim.nati@gmail.com

"A coordenadora do Ambulatório de Transtornos Alimentares onde eu me tratava ria de mim ao comentar com os residentes e alguns riam, outros se calavam. Dói, dói muito. Ser humilhada e ter suas dores como temas de piadas...  A coordenadora riu quando eu disse que no dia anterior eu tinha ido num aniversário e eu era a mais gorda da festa. Ela riu e disse que nunca iria numa festa que eu estivesse. Depois eu falei que queria pesar 45 kg, que eu ficaria linda. Ela gargalhou junto com uns residentes e disse que eu jamais ficaria bonita. Me senti monstruosa."

sábado, 23 de junho de 2012

Rudd Center e Depoimento de K.L

Assista ao vídeo e leia o depoimento. Se quiser, mande para nós o seu também! 
bonfim.nati@gmail.com


Depoimento – K.L

"Ano de 2002, eu tinha 17 anos. Há mais ou menos dois anos enfrentava o Transtorno Alimentar sem, no entanto, saber o que estava acontecendo comigo direito. Fazia jejuns e abusava de toda sorte de medicamentos. Uma das vezes em que tive que ir ao Pronto Socorro, por ter tomado dezenas de laxantes, fui levada ao Hospital Edmundo Vasconcelos. O médico me atendeu e me liberou em seguida, dizendo simplesmente, para quem me acompanhava: "ela vai desidratar e passar muito mal, daí pode voltar para receber atendimento se estiver muito fraca. Nós não podemos interná-la porque o convênio não cobre doenças psiquiátricas. Se ela estivesse com os sintomas devido a qualquer outro motivo ou condição, tudo bem, mas tendo um quadro de anorexia nervosa nós não podemos fazer nada".

Sempre foi uma briga tremenda para que eu recebesse tratamento adequado em hospitais gerais e para que os procedimentos mais simples pudessem ser feitos. Algumas vezes eu ia parar em algum P.S onde o médico agia de boa vontade e omitia o Transtorno Alimentar no prontuário ou no pedido de internação que era encaminhado ao convênio.

Seria bom se a história parasse por aí, mas não pára, é claro. Dentro de qualquer hospital ainda rolam muitos absurdos no atendimento a quem tem um Transtorno Alimentar. Aconteceu comigo todas as vezes, até mesmo em hospital especializado... que dirá o resto! Vou contar algumas situações.

Hospital São Luiz. Eu estava internada com um quadro grave de desnutrição. Um dos médicos que foi me ver teve a pachorra de fazer o famoso discurso sobre as crianças no mundo todo que passam fome, como se o meu problema fosse falta de sensibilidade com a miséria mundial ou sabe-se lá o que passa na cabeça desta gente!

Hospital Samaritano. Desta vez ouço o seguinte de um médico, a respeito da minha dieta (que óbvio, era transtornada): "se você comesse frutas e legumes, ficaria magrinha e saudável! Você come muito pão e carboidratos em geral, por isso fica banhuda". Eu estava pesando 35kg nesta ocasião e chorei muito... na frente do médico mesmo. Não aguentei. Minha tia, que estava junto, convidou-o cordialmente a se retirar do meu quarto. Acabei fugindo deste hospital... Outro capítulo para, quem sabe, outro post!

Hospital São Paulo. Eu estava com desequilíbrio eletrolítico e tendo crises de contração muscular. Parece uma convulsão, é horrível pra quem vê e é horrível pra quem está tendo - dói horrores. No P.S fizeram uns exames básicos (não mediram os eletrólitos) e me liberaram dizendo que era uma conversão histérica. Voltei pra casa e as contrações continuaram acontecendo no corpo todo. Minha mãe falava pra eu ficar calma, que ia passar, que era "só uma conversão histérica". Quando eu tive coragem de contar dos medicamentos que estava tomando, fui pro hospital de novo, mas aí eu já estava com arritmia cardíaca."

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Cadernos e agendas by Jeduky

Hoje quero apresentar o trabalho de mais uma moça talentosa! Quem tiver interesse, é só enviar e-mail para jeduky@hotmail.com

CADERNOS E AGENDAS CUSTOMIZADAS 
<<Você é tão doce querida... Doce como o suco gástrico
Que me passa pela boca quando vomito de tanto beber vinho barato.
Doce, como cogumelos alucinógenos que nascem na merda dos bovinos.
Doce, como... Como o mel mais doce do planeta!
E isso me enoja. Sinto muito, não quero mais vê-la.

Histórias são assim.
Nenhuma tem final feliz.
Se está “feliz”, é porque não teve fim.>>


quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

PROCESSO




Quem é Marcela Pinheiro?
Uma menina linda que apesar de não andar e ter desenvolvido uma anorexia crônica, do seu jeito, com suas habilidades, valores e desejos, se mantém viva e lutando por isso. 

Contraiu encefalomielite há 10 anos, aos 17, tornando-se cadeirante. Seu trabalho e projeto atual é a marca PROCESSO - customização de camisetas. 


Por que PROCESSO?
Porque seja na Justiça ou na Injustiça dos atos, tudo que se passa é em processo, um desenvolver, um caminhar. Veja que, sem julgamentos, o que existe aqui são duas pessoas defendendo a vida, mãe e filha. A vida continuou depois de muitas pedras atiradas contra elas e por elas! Isto é PROCESSO. Mais que uma marca, uma expressão. 


Fotolog e Facebook

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Flagrantes Delitos II

Mais uma série de fotos.
Crimes dolosos, mas saborosos!!!












MANDE SUA FOTO TAMBÉM!
pro-mo-vo@hotmail.com