sábado, 4 de dezembro de 2010

Arquivos da Resistência

Diante do espelho

Com muito esforço
abro meus olhos lentamente
para, corajosamente,
enfrentar-me no espelho de novo.

Mas minha imagem é fluída
porque não sou só eu ali
Outra é, ainda,
aquela que desejo discernir.

E ela fala comigo, e sussura,
dizendo-me, como quem jura,
que não é insensatez
querer ser pura outra vez.

E embora fale com ar isento
do que alcançei - um dia - a duras penas
ao me ver enfeitiçada se vai, serena...
...alcançou seu intento...

---

Frescuras Aparentes

É fácil julgar
Minhas “frescuras”
Mas vê o fundo, ousa ir lá,
Vê em mim minhas torturas!

Procura saber
O que eu realmente sinto
Sente o que ouço o vento dizer
Desse meu egoísmo faminto!

Minha dor é sozinha e oca,
Lenta, muito lenta,
Não se compreende: fútil ressoa
E de mim me ausenta.

Vai saber o que há
Por trás do que aparenta
Vê meu pesadelo reinar
Dia após dia: experimenta!



Gostaria de enviar um texto, um poema ou um desenho para nós?
Faça como a Marcela e envie para contato_encontros@yahoo.com.br

Inspire-se com os Archives of Resistance! Que tal criarmos o nosso?

2 comentários:

Insana disse...

Lindo poema..

Sei que muita gente passa por isto a cada dia..
Eu ja passei: Hoje tenho um acordo com meu espelho...
Olhos pra ele e pergunto>> "Espelho espelho meu estou ou nao estou muito linda" Se ele se atrever dizer que não ele voa pela janela rsss

bjs
Insana

Natalia Bonfim disse...

Insana, eu tb tenho um acordo cmg mesma e o espelho. Eu olho de relance e só continuo olhando se é espelho de boa qualidade e iluminação haha. Tb não acredito mais em todos os reflexos =P Existem espelhos côncavos, convexos, esféricos e distorções fora de nós. Viva a física que nunca estudei!! haha